domingo, maio 20

Still life, a (des)construção das ruínas


Em Still life, de Jia Zhang-ke, tal como em Juventude em Marcha, de Pedro Costa, somos confrontados com uma realidade em ruínas, que se constrói e desconstrói constantemente. Mais do que a construção da barragem das Três Gargantas, que serve como pano de fundo às personagens, em Still life é todo um Mundo de emoções que também ficará em estilhaços e destroços.
É um mundo povoado por resistentes cujos corpos inistem em gravar a sua presença no seu espaço. Perante as pressões ditadas por um outro Mundo, em progresso constante, as personagens principais de Still life surgem-nos como seres passivos, estóicos e persistentes. São personagens que se negam a abandonar a realidade que conhecem. Ficaram reféns de um qualquer evento e, consequentemente, resistem de forma passiva perante a voracidade da globalização e do progresso.
Still life é poesia em estado puro. Construída sobre indiferença e a resistência ao progresso, algures entre a ténue linha do saudosismo do tempo que já não é e do tempo que virá (e de novo vem-nos à cabeça Ventura e a sua Juventude em Marcha). É um filme elegante e, provavelmente, o melhor em exibição. Tal como é um objecto peculiar, onde há lugar para tudo e onde tudo é construído a partir da observação atenta do quotidiano (o que nos traz reminiscências de Ozu). Neste labirinto de destroços e de personagens que erram pelas ruas à procura de algo que teima em fugir-lhes, fica, como força motriz, o humanismo e romantismo que guiam os protagonistas.
Still life, tal como a realidade que documenta para a posteridade, é, também, um objecto destinado a desaparecer: na velocidade vertiginosa do Mundo moderno parece não haver (muito) espaço para poetas românticos como Zhang-Ke. O que é pena.

7 Comments:

Blogger Carlos Pereira said...

Já o vi há mais de uma semana, e as suas imagens ainda me assombram. Pura poesia visual! Uma poesia triste sobre o fim... sem quaisquer possibilidades de redenção à vista. Como é possível sentirmos tamanha tristeza ao observar um "não-lugar"?

Cumprimentos Hugo ;)

5:53 da tarde  
Blogger H. said...

Há espaço há, Hugo! Haverá sempre espaço para os poetas, nem que seja no coração de uma minoria afortunada...
(é curioso mencionares o Juventude em Marcha, por várias vezes me lembrei dele também enquanto via Still Life - esse forçado desenraizar das pessoas e do espaço a que pertencem, essa "condenação" do tempo...)

7:21 da tarde  
Blogger sara said...

Olá Hugo. Peço desculpa por estar a invadir a sua caixa de comentários, mas precisava de lhe enviar um email e não encontro aqui nenhum endereço electrónico...

7:48 da tarde  
Blogger Hugo said...

Carlos: é muito bom. E as semelhanças com "juventude em marcha" não são meramente temáticas. Também são estéticas (as portas...) Não achas, Helena?

Sara: já comuniquei por email :-)

11:01 da tarde  
Blogger H. said...

sim, sim, é verdade... também alguns silêncios...

8:08 da tarde  
Blogger Nathako said...

Ola Hugo :-)

J'ai vu ce film, je l'ai trouvé très beau. Avec des plans magnifiques...
Comme celui où un couple se trouve dans un immeuble prêt à être démoli, tout en haut, et que le mur est "troué", on voit l'extérieur, les autres immeubles, dont un qui s'effondre...
La Chine et le chaos urbain, la démolition, la reconstruction...

3:08 da tarde  
Blogger 奇堡比 said...

新女性徵信
外遇調查站
鴻海徵信
亞洲徵信
非凡徵信社
鳳凰徵信社
中華新女性徵信社
全國新女性徵信社
全省女人徵信有限公司
私家偵探超優網
女人感情會館-婚姻感情挽回徵信
女子偵探徵信網
女子國際徵信
外遇抓姦偵探社
女子徵信社
女人國際徵信
女子徵信社
台中縣徵信商業同業公會
成功科技器材
女人國際徵信社
女人國際徵信
三立徵信社-外遇
女人國際徵信
女人國際徵信
大同女人徵信聯盟
晚晴徵信

7:55 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home