sábado, março 25

Ad provocationem I

Após alguns (breves) instantes de reflexão, cheguei a uma conclusão provisória:

A Itália é um país de cineastas.
A França é um país de cinéfilos.

O que acham?

11 Comments:

Anonymous Anónimo said...

E Portugal é um país de quê?

1:16 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

Portugal é um país de atrasos e de indivíduos que vivem na sombra de um tempo passado e na esperança dos tempos vindouros... ("Saudades do Futuro". Acho que o Leonardo Coimbra se lhe referia nesses termos...)

1:18 da tarde  
Blogger Paulo Anjo said...

Refira-se que Portugal é apenas um país que enferma de falta de financiamento na Sétima Arte.
Mais lamentável ainda é o facto de as pessoas comentarem os posts de forma anónima. Era de salutar uma troca de impressões mas com pessoas que dão a cara, sem quaisquer máscaras.

3:29 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

No que tange à "falta de financiamento" cumpre salientar que a subsidio-dependência que por cá reina é a prova de que não há indústria cinematográfica e, enquanto esta não existir, dificilmente o cinema pátrio dará o salto qualitativo e quantitativo que se deseja...já diz o Povo na sua imensa sabedoria: "não se fazem omeletes sem ovos".

Apesar dessa crónica falta de verbaas, há que salientar que não são necessárias grandes quantidades de dinheiro nem orçamentos milionários para fazer um grande filme. Ainda ontem vi o exemplo disso mesmo, quando pude rever "La maman et la putain" de Jean Eustache.

Cumprimentos

3:59 da tarde  
Blogger Tiago Barra said...

Cumpre identificar os motivos que circundam a inexistência de qualidade no cinema português.
Concordo com o que já foi dito, mas acrescentaria ainda mais um ponto : falta de maturidade cultural no seio cinematográfico.
Tive oportunidade de assistir à ante-estreia nacional de "O Fatalista" e fiquei bastante agradado com o argumento, no entanto, o elenco de actores não tinha craveira intlectual para lhe dar seguimento.
Durante o "Cocktail" que se seguiu à sessão, tive oportunidade de transmitir isto mesmo ao João Botelho(realizador do filme), que não pode deixar de concordar...
Afinal...será concebível Rogério Samora ou Rita Blanco pautarem-se por um registo introspectivo suficientemente credivel em comparação com, por exemplo, actores como Fele Martinez ou Gael Garcia Bernal ?
Estes últimos, considerados medianos, mas ao contrário de nós os nossos vizinhos têm uma cultura de cinema com ligação directa à literatura...faz toda a diferença!

4:34 da tarde  
Blogger Daniel Pereira said...

Com o Tiago Barra concordo e dicordo. Ou nem um nem outro. O argumento de "O Fatalista" apenas é bem consguido, a meu ver, na "myse-en-abyme" e aí Rita Blanco está insuperável. No resto do filme o argumento é inconsequente e Rogério Samora, bom actor, não consegue evitar o desastre.

E, reforçando a ideia do Hugo, lanço mais um filme que vi há pouco tempo e que também prova que não é preciso grandes meios para fazer cinema: "Les Carabiniers", Jean-Luc Godard.

10:20 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

Do próprio Godard eu lançaria "a bout de souffle"...ou então,mudando de autor, "roma cita apperta" de Rossellini...

Citando o meu mui amado Truffaut: "só farei um filme aplaudido pela crítica quando tiver dinheiro para esbanjar". QAcho que é uma frase que diz tudo. Não acham?

11:15 da tarde  
Blogger H. said...

fico a pensar. mas à primeira vez tem alguma razão de ser. mesmo que em frança alguns dos cinéfilos se tenham tornado cineastas...

11:23 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

H. :

exactamente. Basta lembrar que os "mentores" da Nouvelle Vague sairam todos (quase) dos Cahiers...

já a segunda geração (de que o Jean Eustache ou o Melville são exemplos) é mais cinéfila do que cineasta. O mesmo se diga do Godard por exemplo (sou dos que acham que um filme do Godard é uma longa e bela sucessão de citações...com o toque de génio criativo). Mas isso são outras histórias.

Acresce que o povo francês tem um amor tremendo pelo cinema e junte-se ainda que os cineclubes imperam por Paris, prova do amor à 7ª Arte e de uma cinefilia inabalável...

ou estarei a ver mal a coisa ?

Saudações cinéfilas!

11:29 da tarde  
Blogger H. said...

sabes bem mais de cinema europeu do que eu por isso creio que não estás, de todo, a ver mal a coisa.

o cineblubismo já foi mais activo em Portugal, é penas que praticamente reste a Cinemateca como lugar único para se ver filmes mais antigos e que os grandes cinemas estejam praticamente reduzidos a centros-comerciais.

eu não desprezo, muito pelo contrário, o cinema recente. mas creio que deveriam alargar ainda mais o leque de salas onde fosse possível ver cinema sem ser americano (ñ só europeu) e os locais onde se pode ver cinema antigo. só assim qualquer pessoa que goste de cinema pode ter oportunidade de se 'cultivar' ;)
será que ng aprende com o sucesso q o Nimas está a ter com as reposições?

12:52 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

H:

(i) Este comment conduz-nos para outro campo. Neste quintal à beira-mar plantado vivemos uma espécia de Idade Média (veja-se o que se diz no brilhante "O nome da Rosa" de Umberto Eco): "o povo não pode saber ler", o que equivale a dizer: não pode conhecer, ver, ouvir, etc. É a política típica de uma "inteligentsia" que receia perder o seu púlpito de "erudição" verborreica e prêt-à-porter (há excepções, mas poucas!).

Enquanto colocarmos algum cinema (europeu e não só) num "ghetto" apenas acessível a alguns, não veremos o desenvolvimento cultural que se deseja da população. Pena é que a Cinemateca só exista em Lisboa...

(ii) Quanto ao cineclubismo: é verdade. Já foi mais activo, sobretudo antes do 25 de Abril (por razões óbvias).

(iii) Cinema recente vs Cinema actual:
Sou dos que acha que a arte (cinema incluído) é um produto histórico. Logo, há que fomentar a divulgação e o conhecimento de obras pretéritas.
Se virmos bem, a geração dos Cahiers promoveu essa política, sobretudo para dominar a técnica do cinema. Truffaut, Godard e companhia, não desprezavam o cinema americano. Pelo contrário, aprenderam com ele a técnica que viriam a utilizar primorosamente nas suas obras (que tinham postulados ideológicos assaz diferentes, é certo).

E isso diz tudo: há que conhecer o cinema antigo. Americano, europeu, japonês,... não importa a nacionalidade. Há que conhecer. O que me leva a aplaudir a iniciativa do Nimas e lamentar que não seja repetida por mais espaços (veja-se o texto do Miguel Domingues no Jeu de Massacre. Texto com o qual concordo na íntegra).

Mil perdões pelo tom retalhado do texto.

Saudações cinéfilas!

PS - não sei assim tanto de cinema europeu :)

1:16 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home