terça-feira, novembro 28

Texto de Guerrilha

A/C de Gonn1000
Há uma tendência no Universo da blogosfera dedicada ao Cinema que consiste em acreditar piamente que basta ver um ou dois filmes e já se podem mandar uns quantos bitates sobre Cinema. Há uma certa tendência na blogosfera dedicada ao Cinema que consiste em fazer textos que mais não são do que puro ar. Vazios. Vãos. Inglórios. Inúteis. Pior ainda, há uma certa tendência no Universo da blogosfera dedicada ao Cinema que consiste em exibir alegremente a ignorância sobre a História da Sétima Arte. Ao ponto de afirmar, em jeito de gabarolice, que Saraband é um dos piores filmes de 2005 ou, pasme-se!, que nunca viu um filme de Visconti. O motivo: porque só o Cinema contemporâneo interessa.
Pois bem, é chegada a hora de fazer uma breve arenga: o Cinema, à imagem da literatura, tem várias correntes. Os autores, tal como um escritor, são mais ou menos influenciados por dado cineasta. Recusar ver isto é ser teimoso. Pior. É teimar na manutenção da ignorância. Com efeito, é incompreensível a rejeição constante do Cinema dito clássico. Dir-se-ia que, talvez por estar fora de moda, ver filmes "antigos" é um passatempo de indivíduos anacrónicos, desligados do seu tempo. Nada disso. Ver esses filmes é mergulhar na História. É educar o olhar, detectando a influência do muito que se faz hoje. Dois exemplos: vendo Melville percebe-se a influência sofrida por John Woo, do mesmo modo que se detecta em Tarantino uma homenagem profunda a Sergio Leone. Mas é muito mais para além disso. Os filmes "antigos", o mais das vezes, são dotados de uma modernidade ímpar. Alguém negará o carácter inovador de um Glauber Rocha, de um Jean-Luc Godard? Claro que não. Só o faz quem desconhece.
Conforme afirma Bernardo Bertolucci, Aprende-se Cinema vendo. Com efeito, só vendo com olhos de ver poderemos detectar aspectos tão simples como este: o pai de Philippe Garrel costuma fazer parte do elenco dos filmes de Garrel. Mas, claro, saíram muitos posts vilipendiando Les amants réguliers, bradando que Garrel contratou toda a família para entrar no filme. Obviamente, ninguém tem interesse em saber quem é Garrel. Aliás, isso talvez nem seja muito importante. Basta mostrar desconhecimento, manifestando alegremente essa ignorância. Só isso importa. Resumindo e concluindo: a blogosfera cinéfila, por via de regra, é similar a um fenómeno literário. Ao lado da literatura séria, há a literatura light. A que é consumida pela maioria*. Pronta a servir e de baixa qualidade. Mutatis mutandis, temos blogues light e blogues que tentam ser algo mais. Pena é que os light dominem. Bem vistas as coisas, nada que cause espanto: vivemos na época dos generalistas especializados e a blogosfera não é excepção.
Pode-se gostar ou não de um filme. Haverá quem goste de Juventude em Marcha de Pedro Costa e quem o odeie. Mas, pura e simplesmente, não é tolerável ver críticas lançadas contra os planos excessivamente longos de Transe de Teresa Villaverde - conhecer Tarkovsky e os seus textos sobre Tempo ajudava - ou ver o terçar de armas contra Pedro Costa e o seu Cinema. Regra geral, isso acontece porque o léxico de alguns "críticos" não compreende a expressão Cinema-Verdade. Foram educados no e pelo Blockbuster e recusam-se ousar ver algo diferente. O que se critica não é o facto de gostarem do Blockbuster - gostos são gostos - mas sim de recusarem ver algo de forma séria e, acto contínuo, lançarem críticas fáceis e superficiais. É, no mínimo, preocupante ver alguém que se apelida cinéfilo virar costas à História e não lhe detectar referências pré-1980. Tal como é preocupante ver o desconhecimento de figuras como Béla Tarr ou Otar Iosseliani. Eis os opinion makers blogosféricos, reflexos perfeitos do País que temos.
E sim, este é um texto de guerrilha, inspirado na figura tutelar de Luiz Pacheco e em livro com título homónimo. Visa provocar. Por isso até gosto de achar que é neo-abjeccionista à la Pacheco, apesar de ser impossível igualar o Mestre.
* Aliás, sublinhe-se que esta afirmação é por demais evidente. A título de exemplo, refira-se Rodrigo Guedes de Carvalho que, apresentando Cemitério de Pianos, o novo livro de José Luís Peixoto, lamentava o imperialismo da literatura light.

57 Comments:

Blogger joseo said...

é obvio que subscrevo literalmente...é isso que chateia, mandarem simplesmente as "bombas" mas não terem capacidade alguma para sustentar o discurso, zero retórica, zero historia, etc...e depois o orgulho nisso, reflexo de quê?

só uma achega: acabo de ver o Scarface do Hawks...pois é, depois veio o Truffaut, o carpenter, Penn...De palma, Bogdanovich, eheh…

1:31 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Andas chateado Hugo... eheh

Tens muita razão...

O problema é que há quem veja o cinema como puro entertenimento, "tipo pra distrair, não sei se tás a ver a cena..."

O escapismo é aceitável, mas como modo de vida...

Abraço

3:25 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

OS blogs são à imagem do mundo - nas revistas de cinema, também há umas que têm uma cultura mais profunda, referências, uma vontade de reflectir, e outras que pura e simplesmente escrevem umas coisitas sobre os filmes que vão estreiando. Pode ser irritante, mas podemos sempre escolher as nossas leituras.

Mas percebo que esta guerrilha é lançada mais contra os que pretendem ao título de cinéfilo quando viram meia-duzia de filmes pré-anos 80. Neste caso, também agarro nas armas.

PS: o teu Luiz Pacheco está a piscar o olho... será que esta declaração de guerra não se deve levar tão a sério como isso? :p

8:14 da manhã  
Blogger mig_domingues said...

Concordo plenamente, embora lide com isso de uma forma muito particular: não lendo esses blogues. Mas, e perdoem-me o desencanto, quem é que tu achas que prosperará no contexto actual: quem ainda se preocupa com quem foi Luchino Visconti ou quem se sabe promover muito bem, e, de caminho, saiba vender esterco?

E o que chateia é a protecção que esse senhor tem tido, por exemplo, no Cinema 2000...

Pacifista como sou, também me apetece lançar-me numa guerra. Que, aliás, está perdida à partida.

11:34 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Obviamente apoio por completo tuas linhas de texto. Das várias achegas redigidas de forma sagaz, retenho uma como a minha predilecta: os textos sobre Tempo de Tarkovsky.

Não basta saber VER Cinema. Além de experimentá-lo e senti-lo é necessário reflectir e saber LER (e não me refiro somente às entrelinhas). Se me permites Hugo, junto mais um nome de um magistral autor que já deu belas lições sobre o Tempo (entre outras vertentes narrativas): Hou Hsiao-hsien. Perfeitamente desconhecido para o espectador geral e pipoqueiro.

1:14 da tarde  
Anonymous dermot said...

Ainda não tinha dado por esta tua guerrilha, Hugo. Não sei como começou, mas imagino, até porque o dizes de certa forma no texto.

Não me vou alongar, apenas perguntar onde está a linha para assinar por baixo.

Na sociedade de hoje, com demasiadas coisas para absorver e tão pouco tempo, é normal que a cultura light e a cultura de supermercado (ou serão as duas a mesma coisa?) tenham tanta adesão. Sobre este tema, há uma questão que me parece de todo pertinente: como é que conseguimos engolir, se não mastigarmos antes?

E digo isto e nem é por conveniência. Até porque, como sabes, não considero o Juventude Em Marcha uma obra-prima. Mas é bom entender porque é que ele existe. E ainda bem que existe. Só que eu não o fazia assim. E só por isso, sinto-me com validade suficiente para o dizer e escrever. É um privilégio que a net nos dá e que muitas das vezes nós abusamos.


PS- nunca vi o Scarface do Hawks. Quem é que mo empresta? :$

7:46 da tarde  
Blogger Flávio said...

Gosto do blogue do Hugo, mas acho completamente despropositada a linguagem deste post e só porque alguém não gosta dos mesmos filmes que ele.

9:49 da tarde  
Blogger dermot said...

Não sejas assim, Flávio.
Percebo perfeitamente os argumentos do Hugo e são válidos, mas como disse, a internet trouxe o privilégio de cada um exprimir a sua opinião. E cada uma vale o que vale. Por isso, é normal que se desencadeiem trocas de argumentos, que até são salutares.
Quanto à crítica cinematográfica acho que pode ser feita por todos, tanto pelos estudiosos como pelos amantes de cinema. Desde que sejam fundamentadas e justificadas, são todas elas válidas.
Mas repito: não se deve engolir sem antes mastigar.

9:59 da tarde  
Blogger karvoeiro said...

e quem vai ver o INTRUSO
do Visconti na voz do operário?(esta quinta a preço de chuva)

parabens pelo blog; e a discussão nos comments parece me saudável...

10:16 da tarde  
Blogger Ne-To said...

Todos os argumentos são validos desde que justificados. Depois parte de cada um aceitar ou opôr algo. Ninguém é obrigado a aceitar nada, mas é necessário alguns alertas (por muito crueis que sejam) para despertar algum marasmo, o resto é com cada um. e é o que sinto em relação ao filme de Pedro Costa, o pontapé no marasmo. As pessoas continuam a ser iludidas pelas campanhas publicitárias das produções cinematográficas, e ao contrário de outras situações, nunca se sentem enganadas e continuam a cair no conto do vigário. Num supermercado, já não se compra pela embalagem compra-se pelo preço, se não gostar até reclamam... No cinema o preço é sempre o mesmo, nunca se sentem enganadas, a não ser que levem um valente murro no estomago de uma das "algumas" obras que ALARGAM OS HORIZONTES DO CINEMA... aí reclamam.

Em relação aos "clássicos", ou passado do cinema, ou como dirá Pedro Costa "ainda estamos na Pré-história do cinema", cito João Mário Grilo e um dos seus mais recentes escritos "O HOMEM IMAGINADO - Cinema, Acção, Pensamento":

«...Por isso, a morte do cinema, todos os dias anunciada e conjurada por políticos, negociantes e os taste-makers que os servem, será sempre muito mais que a morte de um negócio, de uma indústria, de um espectáculo ou de uma arte. Será, sobretudo, um genocídio da memória e dos registos de uma humanidade que confiou ao cinema, num todo indissociável, boa parte dos seus desejos e terrores, dos seus afectos, paradoxos, sentimentos e razões. (...)É desde logo uma ciência indispensável à história do séc. XX, em grande parte porque foi através do cinema que o Homem moderno se articulou, através do olhar, com a própria modernidade, aceitando ser treinado para perceber o seu mundo e dos outros de uma certa maneira(com conceitos, grandezas e medidas impensáveisa este nível de socialização sem o cinema" (fim de citação)

Penso que muito fica dito e fica ao dispor de cada um.
Rejeitar por completo um filme de Pedro Costa é sem qualquer tipo de dúvida rejeitar parte da Humanidade do Cinema, é rejeitar carne e espírito, é rejeitar um olhar "puro" de formatações e enganos artificiosos. Um olhar sobre nós.

Cumprimentos

10:17 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Mas o Gonn1000 tem protecção no Cinema 2000 porquê? Ele não deixa lá os textos como os outros a maior parte do ano tirando os festivais? Ele pelo menos coloca os seus textos num sítio onde pode ser lido por centenas ou milhares de pessoas, sujeitando-se a ser criticado. Até agora ninguém o fez...

10:25 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Fui agora ver o Cinema2000 e o Juventude em Marcha quase não tem comentários, e o Casino Royale mais de 20. São assim os espectadores de cinema.

Mas se calhar isso podia mudar se o Hugo colocasse lá o seu texto sobre o filme. É que a ignorância não se combate no circuito interno dos blogues, mas sim nos locais onde os ignorantes espalham a sua palavra. Como esperam que quem vai por exemplo ao Cinema 2000 descubra que está a ler parvoíces escritas no tom mais sério se aqueles que mais têm memória do cinema e podem ajudar não vão à luta?

Coloquem no mesmo espaço um texto cheio de palavreado vazio e outro como os que leio neste blogue e assim talvez as coisas comecem a mudar.

10:39 da tarde  
Blogger Ne-To said...

Não que o problema seja meu, mas como tenho um blog, não gosto de ver palavras ignorância proferidas por alguém sem identidade.

Será que a ignorância chega ao ponto de se esquecer do seu nome ou no mínimo de uma ou outra questão ética.

cumprimentos e lembre-se que o anonimato é uma bela arma para um certo grupo de pessoas. A discussão só é possivel se existir um destinatário... atirar pedras e esconder a mão não é lá muito digno.


Agora só para corrigir, já existem comentário no Cinema2000 sobre JUVENTUDE EM MARCHA... e existirá pelo menos mais um... confirme depois estará devidamente assinado.

10:52 da tarde  
Blogger Ne-To said...

já agora, eu que já vi BOND e JUVENTUDE EM MARCHA... o BOND até podia ter 1000000000000 comentários no cinema2000 que a minha opinião mantinha-se. E se tudo se visse apenas por numeros???!!!

10:54 da tarde  
Blogger joseo said...

"Humano, demasiado Humano", como referiu o João Lopes - para o filme do pedro Costa, e para o que ele gera, relança, desenterra, ou seja, uma verdade primordial do cinema como arte autónoma, como soma das artes...enfim, é o despir de tudo, em direcção ao osso, esqueçendo as campanhas, o dinheiro, em direcção ás imagens e aos sons...é isso o que Pedro Costa quer dizer ao referir que estamos na pré História do cinema,quando um filme, uma imagem poder ser só um filme ou uma imagem, em todo o lado...o salto será possivél....

11:05 da tarde  
Blogger mig_domingues said...

Para o senhor que não teve a ombridade de assinar: não é "tirando os festivais"; é precisamente devido aos festivais que disse o que disse. Porque não a H. ou a Wasted Blues a fazer esse trabalho?

Ainda não pus o meu texto sobre o Juventude em Marcha por ainda não ter visto o filme. Todos os textos sobre filmes em exibição que escrevo, ponho lá. Com este filme, não será diferente.

11:13 da tarde  
Anonymous dermot said...

Peço desculpa interromper, mas queria fazer uma ressalva: porquê o cinema2000? Por que é que devíamos todos escrever lá? Não percebi, está a escapar-me alguma coisa?

11:14 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

Flávio: não é por não gostar. É só porque estamos perante alguém que afirma coisas de forma leviana sem justificar o porquê das suas posições. Daí que diga que isto não se resume a ver uns filmes e pensar que já se tem carta para mandar bitates...aliás, eu próprio escrevi no post "gostos são gostos". Só lido mal com a "crítica" leviana.

Karvoeiro: muito obrigado.

Agora o que dava jeito era ouvir (ler) o visado. Sempre gostei do contraditório.

Quanto a um texto sobre "juventude em marcha" cumpre dizer que é daqueles filmes que precisa de mais do que um visionamento para se poder dizer algo. É profundo demais para se escrever umas linhas de ânimo leve. Só isso.

12:14 da manhã  
Anonymous Paulo Oliveira Bananas said...

Pontos nos iis: Há uma tendência em certos blogues portugueses dedicados ao Cinema que consiste em acreditar piamente que basta escrever sobre cinema e ter visto uns quantos clássicos europeus e já nos podemos considerar uns jovens turcos qual François Truffaut escrevendo nos Cahiers. Pena é que esses mesmos "autores", exibem noções pedantes e bafientas de olhares politicamente correctos, que não toleram outras visões. Transformam o que até poderia ser humor involuntário em palavreado ridículo e sonolento.

Paulo Oliveira Bananas

12:59 da manhã  
Blogger joseo said...

olhares politicamente correctos, que não toleram outras visões. ??

...isso são os bonds, a premiere e o raio que os parta...que dominam a coisa toda, esmagam, abafam, tentam reprimir...pelo dinheiro...os outros tentam resistir á máquina, da publicidade, dos efeitos, da aparência...

1:36 da manhã  
Anonymous Rui Pedro said...

Mas quem é que tem o nome Bananas?? É triste deparar-me com um texto que reflecte sobre este momento cinéfilo com arrojo ser comentado por pacóvios (não me ocorre outro sinónimo) que nem se dignificam a dar a cara e o nome pela opinião que suportam. E chamar de «opinião» estes comentários é ser caridoso... Esses «Bananas» apenas expelem verborreia, sem conseguirem opinar sobre qualquer assunto, acusando de forma leviana outros que se dignificam a redigir construtivamente a sua paixão pelo cinema.

Haja decoro, seus «Bananas»!! Respeitem estes rapazes e senhores que através de um texto conseguem reflectir sobre o cinema. Deixem-se de invejas mesquinhas seus «Bananas»! Utilizem argumentos e formem opiniões e deixem-se de acusar quem escreve de «ridículo e sonolento». A inveja é um sentimento muito feio e pelos vistos cobarde. Não é seus «Bananas»???

11:26 da manhã  
Anonymous cj said...

nada de grave - ou melhor - nada de novo.
é apenas a ignorância pela ignorância.
já desisti há bastante tempo...
lamentável é a pretensão e a ilusão do conhecimento sem o background dos clássicos (e paralelos) e opinar, influenciando.

3:26 da tarde  
Anonymous cj said...

já agora...um excerto de uma entrevista do libertino num antigo blog, retirado do explanar:
http://anestesistadalma.blogspot.com/2006/05/luiz-pacheco.html

3:29 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

CJ: muito obrigado pelo Link. Eu sou daqueles que acha que o Pacheco, mais do que libertino, é libertário, mas isso contas de outro rosário. Só espero que a biografia que o JPG está a fazer saia depressa :-)

3:35 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Toda a gente tem direito á sua opinião, por mais singela, desinteressada, ou controversa. Na blogoesfera, felizmente, não há censura... não queira o menino cria-la! Nem queira o menino, muito menos, ser arrogante o suficiente para julgar a sua opinião como a entendida e vá lá... sábia!

5:02 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

Maria: o menino, este mui humilde escriba, não quer nada disso. Apenas lida mal com frases absolutas que careçam de fundamentação. Enfim, lendo os comentários ao post Juventude em Marcha percebe-se o porquê do texto de guerrilha.

5:07 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Parece que a Senhora Maria critica o Senhor Alves sem primeiro ter lido o que escreve o Senhor Gonn1000... porque o secundo corresponde muito mais às suas palavras ("arrogante o suficiente para julgar a sua opinião como a entendida e vá lá").

5:30 da tarde  
Blogger H. said...

Caro Hugo,
Já havíamos trocado umas palavras sobre o assunto há uns tempos e compreendo perfeitamente a tua posição embora a minha me deixe num ponto ingrato e vejo-me na obrigação moral de dar a face pois não posso deixar de me sentir um pouco atinginda (justamente). Penso várias vezes: que direito tenho eu de escrever sobre cinema quando a minha experiência está numa fase muito precoce de construção? É verdade que eu posso "enfiar a carapuça" das tuas indignadas palavras porque não recuso cinema antigo (mto pelo contrário) não me arrogo no direito de considerar a minha formação completa (longe disso) e falta-me ver muita coisa de muitos cineastas "obrigatórios".
É verdade que por entre os blockbusters com que cresci vi vários clássicos, alguns que vi com uma manifesta imaturidade, e gostei sem atigir a sua total dimensão.
Que direito tenho eu para falar de cinema quando não vi tantos mestres? E ainda não vi o Juventude em Marcha (ainda)... aguardo a disponibilidade necessária, não só de tempo como emocional). Se queres uma confissão envergonhada, nunca vi nada do Pedro Costa, cujo cinema conheço parcamente de forma indirecta por uma ou outra leitura.
But then again, eu não escrevo críticas. Expresso percepções. Imperfeitas, limitadas, incompletas. Mas todas elas, acredita, sentidas.
Confesso ainda que vós, tu e eles todos, me fazem sentir um certo medo. Talvez porque eu quero ser como vocês mas não consigo olvidar que ainda me falta percorrer um certo caminho. Talvez a ânsia de chegar me cause uma certa frustração quando vejo o caminho que falta. Mas não desisto. E o que escrevo é talvez o testemunho dessa caminhada.
Um dia, vou poder dizer que sou cinéfila sem baixar os olhos perante vós. O amor ao cinema está cá. Só falta a experiência.
E pronto, perdoa o pequeno desvio na conversa. Mas às vezes preciso de exteriorizar esta auto-consciência das minhas limitações que tantas vezes me consome...

7:01 da tarde  
Blogger Ricardo Martins said...

Uma brutalidade de texto! Ja nao era sem tempo alguem espancar esse Gonn1000! Na mouche, como sempre, Hugo.

Lamento ter chegado um bocado tarde na discussao, se tiver tempo ainda direi mais umas palavras.

7:13 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

Helena: mas há uma diferença abissal entre ti e outros. Tu não tens qualquer assomo em reconhecer que te falta ver muita coisa (a quem não falta?). E, para além do mais, tens o bom senso de não primar pelo tom absoluto das frases. E não tens nada que baixar os olhos perante ninguém, ok? :-)

Todos crescemos com blockbusters, sejamos honestos. Mas houve uma altura em que tomámos conhecimento com o resto. Com o dito Cinema de Autor (expressão que não gosto muito), com os clássicos. Com os filmes que obrigam a pensar. E para obrigar a pensar não é preciso ser um filme de Godard ou de Bergman. Até um produto mais "light" como o Little Miss Sunshine obriga a isso... conhecer o que foi feito, as obras, procurar ver autores em alguns cineastas já é o produto da reflexão que o que vimos nos obriga a fazer. Cinema não é só ver. É pensar também. E vejo muito disso no teu Play it again, como já to disse muitas vezes. Tu es une cinéphile! E limitações todos nós temos. Por isso somos humanos :-)

Por falar em olhar,e para mudar de assunto, temos de tratar de conheceres o "bande à part" (expressão da Wasted!)da Cinemateca: Wasted Blues, Nuno Pires e este humilde escriba :-)

Ricardo: bons olhos te vejam, perdão, leiam. Não se trata de espancar. Mas sim de tentar chamar à razão.

7:29 da tarde  
Blogger wasted blues said...

Helena, o que nos alimenta é a procura. Quando leio as tuas palvras penso em como também a mim me falta tanto e que prazer me dá essa busca!

Quanto ao que originou este aceso post, eu e o Hugo temos discutido por outras vias ;)

8:14 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

A mim não me choca nada( antes me intriga) classificar "Saraband" como um dos piores filmes do ano. Acho até salutar esta recusa de Nomes Sagrados. O que me importa é saber quais os argumentos que levaram a tal escolha.

8:57 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Caro Rui Pedro,

Não que seja da sua conta, mas o meu apelido provem da minha ascendência materna equatoriana. Se se deslocar um dia ao Equador verá que é de uso corrente.

De resto, não lhe respondo porque a minha educação não me permite descer ao nível da sarjeta de onde emanam os insultos pessoais com que me presenteou.

Paulo Oliveira Bananas

9:57 da tarde  
Blogger H. said...

Caro Hugo,
Muito obrigada pelas palavras. Elogios assim são sempre reconfortantes, sobretudo quando são proferidos por pessoas cujos pareceres não só respeito como admiro.

Cara Wasted Blues,
Sem dúvida! :) Querer saber mais, querer ver tudo... O processo é enriquecedor e uma fonte de abertura mental digna do termo "iluminação"!

10:24 da tarde  
Blogger Daniel Pereira said...

Embora concorde com o texto do Hugo, acho que os comentários que se seguiram foram na sua grande parte inócuos.

Não iria comentar porque conheço o Gonçalo e vejo mais nele do que as suas insuficiências cinéfilas (e isto ele sabe, já falámos sobre isso, estou à vontade para o referir aqui).

Mas comento por uma razão, o comentário da Helena. Haja classe!

10:55 da tarde  
Anonymous PC said...

É preciso ser uma grande besta cinéfila para se ridicularizar o gosto dos outros e a forma como outros apreciam a sétima arte. Existe vários tipos de cinema, vários integram-se dentro do que chama arte, outros não. Dentro desses tipos existem gostos para tudo. A magia do cinema é para uma pessoa Truffaut, Bogdanovich, PT Anderson, Altman, David Fincher, serem génios desta arte, e para outros ser apenas um ou outro, mais clássico, num só modelo de cinema. Sobre alguém escrever sobre cinema sem conhecer de forma profunda a história do cinema: ISSO É DAS COISAS MAIS RIDICULAS QUE JÁ LI EM TODA A MINHA VIDA!! (e olha que já li umas quantas bem bonitas). Curioso. Muito curioso.

É curioso como a escrita pode revelar claras tendências ditatoriais. Seja na forma de ver o cinema, seja na forma de ver as outras pessoas. É pena que não haja respeito pelos outros seres humanos, enquanto tal.

Tudo é tolerável numa critica de cinema. Até quando ela não tem ponta por onde se lhe pegue. Intolerância é palavra de radicalismo, palavra de bombista, loucos psicopatas, obcecados por uma regra divina que não existe.

É quase como no futebol, quando se discute num bar quem é o melhor jogador, ou quem tem mais técnica, ou quem é mais útil há equipa...

Quem for ridículo parte para a obcessão na sua opinião e não "tolera" opiniões diferentes.
Sobre os planos longos do Pedro Costa, comparo-os, exactamente com os de Teresa Villaverde em Transe. Os dela têm sentido na envolvência criada e não se tornam ridiculamente longos, os do Pedro Costa têm tendência para provocar o espectador. Tudo isso é o estilo dele, característico, mas é perfeitamente normal que não haja paciência da maioria das pessoas para 15 minutos de um plano parado, sem ninguém, nem acção (como é o caso da versão longa, que vi, infelizmente, do filme/documentário No Quarto de Vanda). Uns acham arte, outros abominam. Ok. É justo. Formas de estar no cinema. Há travellings do Truffaut longíssimos e tão geniais que assusta. Para mim, raramente é o caso de Pedro Costa.

Sem querer estar a defender o Gonn1000, embora o esteja a defender (até gosto do blog dele, bem mais do que este): vejam lá como acusam as pessoas e os catalogam de "público de blockbusters", mesmo sem os conhecerem nem conhecerem o que viram e o que são.

Adieu. Ide, ver bons filmes! Novos! Até porque há grandes filmes novos. Vão ver o The Queen, o novo 007 (que não tem a arte de Truffaut, mas tem a originalidade de cortar com o passado), o The Departed (fabuloso).

1:09 da tarde  
Anonymous uzi said...

Não percebo porque não devo apreciar simultaneamente os filmes do Pedro Costa e o 007?

1:31 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

PC: "besta cinéfila". Para aquilatar do alcance da expressão há que definir o que entender por (i) "besta" e (ii) cinéfila. Um exemplo: "cinéfila" de "cinefilia"? Refere-se à cinefilia praticada nos anos 50-60 em França? Ou é algo diferente?

O comment de PC merece este comentário, em modo irónico: "obcessão"? Acaso não será estoutra "obsessão"? (tão mal tratada está a língua pátria) PC é sinónimo de quê? "personal computer"?

Reitero: o que aqui se critica são frases absolutas, sobretudo vindo de quem tem graves lacunas no que ao Cinema diz respeito. Para além do mais, eu referi que este era um texto neo-abjeccionista. Conhecendo o autor da expressão (Luiz Pacheco), percebe-se o seu alcance...

Contrariamente a PC, GONN1000 expressa críticas. Ao ponto de dar "veredictos"...é uma diferença radical entre ambos, não é? O ora escriba também não faz críticas a filmes (nem sequer lhe dá estrelas ou notas..). Transmite impressões. Portanto, se GONN1000 quer locupletar as vestes de crítico, tem de se aguentar com as críticas. Ah, e, quando muito, GONN1000 não passa de "crítico" (e com isto recupero, com a devida vénia, um conceito cunhado em post de Agosto de 2006 por LMO). A "crítica" está mesmo light...os textos aéreos de GONN1000 demonstram-no de forma clarividente.

2:52 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

"Veredicto: 2,5/5 - Razoável"...

É de se perguntar, efectivamente, qual é o curso que tirou o Gonn 1000 para lhe permitir tirar estes veredictos...

4:31 da tarde  
Blogger Ricardo Martins said...

Ainda uma adenda minha, depois de ler mais alguns comentarios:

Daniel Pereira - Ninguem esta a por em causa que o Goncalo seja ou nao boa pessoa. Se calhar, o rapaz ate e fixolas. Mas ha tanta coisa que ele se poderia dedicar, em vez de critica de cinema...

PC - O novo filme de 007 corta com o passado? Corta tanto que elimina a gunbarrel, faz uma sequencia pre titulo pretensiosa no seu preto e branco, e mais de 2 horas de acrobacias impossiveis / recicladas que me deixaram quase a dormir na cadeira. E acredita que eu nao estou a atirar opioes de amador. Ja vi cada filme de James Bond umas 10 vezes.

Hugo - Corroboro, mais uma vez. Quem demonstra extremo absolutismo e o sr. Gonn1000 com os seus "veredictos".

Este teu post, Hugo esta certamente no meu top 10 dos melhores de sempre neste blog. Ja era altura da blogosfera se incendiar um pouco, caramba. Ja andava farto da atmosfera nos blogs ser "Jane Austen, passemos ao tea time".

Cumprimentos

6:59 da tarde  
Blogger joseo said...

Aqui vai uma frase absoluta, e sem justificação alguma:

- PC, o teu comentário é uma palhaçada, da mesma ordem que as campanhas do bond ou os "criticos" da premiere...

gostas?

9:16 da tarde  
Blogger joseo said...

digo isto, porque não percebes-te pevides do texto do Hugo...mas digo literalmente!

9:40 da tarde  
Blogger miguel said...

Pretendia de início alhear-me a esta situação, mas no fim de ler tudo isto é-me impossível. Caro Hugo Alves fiquei perplexo com o seu texto de guerrilha, absolutamente provocatório ao Gonn1000. Não esperava tal coisa. É que se há que saber fundamentar as nossas ideias e opiniões quando as decidimos partilhar com a sociedade, seja de que forma for, neste caso via blog de cinema, há que saber antes de mais respeitar e aceitar as opiniões alheias, e não me parece que tal aconteça aqui. Não me agrada este tom de discriminação (?) e a tentativa de separar bons bloggers de maus bloggers. Ao fim e ao cabo tudo é relativo. O seu blog tem tanto valor como qualquer outro que existe na blogosfera. Existem sim hierarquias de valores, e aqui os leitores poderão considerar pessoalmente o seu blog acima dos restantes, mas nada poderá ser tido como verdadeiro, mas como uma mera extensão da opinião individual. E o egocentrismo que demonstra é algo que não deve existir neste tipo de suporte à sua opinião. Afinal, por uma pessoa discordar de si, não pode considerar que esta pessoa tem uma opinião inválida. Também tem de ver que uma caixa de comentários não será o sítio mais apropriado para expressar uma opinião bem fundamentada sobre determinado filme, como aconteceu no blog de Gonn1000.
Agora diga-me, considera-se uma dessas pessoas que refere no seu texto, que "vê cinema com olhos de ver" (signifique isso o que significar)? Considerando-se isto, acha a sua opinião mais válida do que a de qualquer outro blogger? É que ver cinema tem o seu relativismo. A noção de cinema é individual, e temos direito a divergir em opiniões, o que não as invalida, não acha?

Antes de terminar, queria desculpar-me se, de alguma forma, ofendi alguém, o que não era de todo minha intenção. Finalmente, situações como esta fazem-me diminuir a possibilidade de algum dia voltar a estas andanças da blogosfera. Acho que devemos usar a blogosfera para de um certo modo sentirmos algum prazer em dar a conhecer a nossa opinião ao mundo, e não para criar conflitos mesquinhos como este.
Os meus cumprimentos.

11:21 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

Sempre disse e reitero: gostos são gostos (e isto diz tudo). Mas quando alguém (Gonn1000) parte para o uso de expressões infelizes ("masturbação intelectual"), dificilmente se fica indiferente (a origem está no post Juventude em Marcha)

Limito-me a, mais do que fazer críticas a filmes, procurar trocar impressões. Porque é essa a beleza dos blogues. Nunca me arvorei em crítico nem sequer dei veredictos ou notas. Quem quer as vestes de algo que não é, suporta as consequências.

Miguel, da minha parte não senti qualquer ofensa com o seu comentário que, obviamente, agradeço.

11:30 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Conversa extraordinária esta sobre falar/escrever bem ou mal sobre cinema. Tudo isto me deixa muito ansioso de ver o 'Juventude em marcha', mas infelizmente é pouco provável que o filme seja exibido aqui no Luxemburgo. Terei portanto que esperar pela edição em DVD (não poderei vir a Portugal antes pelo menos de 6 ou 7 meses).
Adorei 'Saraband'. Concordo que seja uma obra-prima.
Gosto de cinema, desde sempre, e gosto falar com outros dos filmes que vi e apreciei. Nunca estudei cinema em nenhuma escola, embora tivesse o enorme desejo de o fazer. O que sei, o que sinto resulta da visão muitos, muitos filmes, durante muitos, muitos anos, e de ler regularmente revistas como 'Cahiers do Cinéma' ou 'Les Inrockuptibles', e outras. Acho que o olhar crítico também se desenvolve partilhando idéias, sensações, interrogações com pessoas que têm os mesmos interesses e a mesma paixão que nós. Não tive essa oportunidade, visto no Luxemburgo nunca ter encontrado o grupo, o lugar de encontro, o espaço dedicado a esse tipo de interactividade. No meu blogue, escrevo também (um pouco) sobre cinema : dou-me conta que demasiadas vezes os meus textos são superficiais, não passando de algumas variantes em torno de 'gostei porque ...' ou 'não me convenceram os actores, mas gostei da luz ...'.
Gostava de escrever com mais profundidade, mas faltam-me duas coisas: 1) o tempo e 2) um conhecimento mais racional, menos intuitivo, da história e das correntes do cinema. Estando cônscio destas limitações, porque escrevo mesmo assim sobre os filmes que vejo? Simplesmente porque pretendo dar um pequeno apoio aos filmes que acho que merecem mais espectadores, como 'Coeurs' do Alain Resnais, ou 'The New World' de Terrence Malick. É como escrever aos realizadores e dizer-lhes ‘o seu filme mexeu comigo …’
Longe de todas as polémicas, uma coisa é certa: abomino as campanhas de publicidade que fazem crer que TODA A GENTE tem de ver tal ou tal filme - por exemplo, não tenho a mínima intenção de ver o novo Bond, não preciso, não tenho tempo, já não tenho tempo para tantos outros filmes que se me escapam (vejam lá : ainda não consegui ver ‘flags of our fathers’). Mas leio com imenso prazer os artigos de certos criticos que aprecio (e nestes incluo-te a ti Hugo e a alguns outros amigos da blogosfera) e que me fazem gostar mais ou compreender melhor certo filmes que vi, ou então que criam em mim o desejo de ver tal ou tal obra.
Continua, Hugo. Foi graças a texrtos como os que tu escreves que, há mais de 25 anos, eu quiz ver os filmes de Antonioni, Kubrick, Kurosawa, Coppola, Truffaut, Godard, Cassavetes, Brian de Palma, Woody Allen, Arthur Penn, Nicholas Ray, Samuel Fuller, etc. etc.
plobo
plobo

11:49 da tarde  
Anonymous Tiago Gomes said...

"Texto de Guerrilha?" Será que li bem o título deste post? Espero que a resposta seja não, pois custa-me a acreditar que numa blogosfera tão pacífica e disciplinada como a nossa, alguém possa ter escrito tal expressão, dirigindo-se a um outro colega deste espaço, que, pelo menos no seu blog, nada de ofensivo lhe fez para receber tal manifestação de desagrado.
Ainda que vivamos numa democracia, a liberdade de expressão tem limites que, felizmente, não precisam de ser impostos por Governo nenhum, mas sim, apenas, pelo senso comum dos cidadãos. Dito isto, onde está o teu senso comum, Hugo? E a tua ética? E em que fundamentos te baseias tu, para, em tom emproado, opinares sobre quem não conheces, simplesmente porque o rapaz gosta de ver e falar sobre cinema? Para alguém que aprecia tantos autores e películas clássicas, pareces-me fugir um pouco do estereótipo de alguém instruído e educado. Ou será que os teus gostos cinematográficos são apenas esses porque, faltando-me a expressão, “ficam bem”?
Caso eu saiba, cada qual é livre de ver e ler aquilo que quer. Se o Gonçalo Sá tem uma opinião sobre um filme, e a expõe fundamentada, não vejo o porquê de todo este alarido. Se o blog dele é visitado por dezenas ou centenas de pessoas, penso que alguma credibilidade ele deve para esses visitantes. Ou será, que toda essa gente está a ser vítima de um marketing muito bem feito pelo rapaz em questão? Nesse caso, não tens de criticar o Gonçalo, mas sim quem o visita e ajuda a mater vivo aquele espaço, através da sua presença, comentários e apoio. E o que vejo acontecer lá, no dito blog, são discussões saudáveis em torno de filmes. Pelo que conheço daquele espaço, nunca lá vi um post intitulado “Texto de Guerrilha”, e dirigido a um particular amante de cinema da blogosfera. O triste e lamentável é verificar que isso aconteceu, não lá, mas aqui, neste blog, um espaço onde, apesar de só se falar de obras conceituadas, falta a cortesia que existe, por excelência, no outro lado.
E não te esqueças Hugo, que quando apontas um dedo a alguém, tens três dedos apontados a ti.

Um bem-haja,

Abraço

12:02 da manhã  
Blogger Hugo Alves said...

Pela enésima e última vez:

i) estava inspirado por um título quase homónimo do Luiz Pacheco;
ii) é só a resposta a uma expressão menos feliz de Gonn1000 em comentário ao post Juventude em Marcha;
iii)O resto já disse em cima. A continuar assim viro papagaio...

Abraço e outro grande bem-haja

12:06 da manhã  
Blogger pedroludgero said...

O mais grave é que entre os próprios jornalistas (críticos...) que são PAGOS para produzir opinião em torno do cinema, também já há quem ceda à mentalidade que criticas.

Abraço

6:49 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Não ia comentar nada aqui, pelos comentários acima, ja disseram tudo. As opiniões egocentricas e reaccionárias do sr. Hugo Alves também dizem tudo.De resto, só queria chamar a atenção a uma pequena observação sua no blog gonn1000 onde sugere um link que "ensina cinema" e depois aqui mesmo neste post cita uma frase do Bertolucci onde diz que afinal "se aprende cinema, vendo"

P.S. Continuo um leitor fiel do blogue gonn1000 e das suas idiossincrasias sóbrias.

10:24 da manhã  
Blogger Hugo Alves said...

Wellington Almeida: por vezes, quando não se conhece aquilo que se vai falando, é preciso ler. Porque só assim se aprende alguma coisa. Não há qualquer contradição: quando alguém se recusa a ver clássicos, virando costas aos Mestres, só aprende lendo. Rectius, "aprende".

Mais uma coisa. O blogue - à imagem de quem o alimenta, i.e., eu - não tem nada de reaccionário.

10:33 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Caro Hugo, sobre a "recusa aos clássicos" deixo-te um belo texto sobre isso de ignorar a própria história e se deixar levar por afectações intelectuais como teu texto sugere. Aqui: http://nominimo.ig.com.br/notitia/servlet/newstorm.notitia.presentation.NavigationServlet?publicationCode=1&pageCode=45&textCode=19768¤tDate=1133462040000 Lembre-se, o texto não "ensina" nada nem tem esta pretensão, mas dá que pensar. Abraço.

12:17 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

Afectações intelectuais? Essa é nova. Ah, e sim, o texto é interessante. E a crítica não é assim tão unânime como por vez pode parecer. Lembro-me de algumas tiradas de Pauline Kael e isso diz tudo. Não há unanimismo. E é bom que nã haja. Tal como frases absolutas quando há lacunas graves a suportá-las (nunca será excessivo repeti-lo)

over and out

12:24 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Creio que esta polémica foi longe demais. O facto de se achincalhar alguém só porque gosta de cinema comercial, ou mesmo que defenda o mau cinema, não é justificação para dar sermão de chefe.

Eu mesmo me senti ofendido com este "texto de guerrilha", talvez por também ter crescido com os Blockbusters, embora também tenha filmes de culto abaixo dos anos 60 na mente...

E não é isso mesmo a utilidade de um BLOG? A simples noção de blog é de um espaço pessoal onde se podem deixar opiniões, boas ou más. Quem não gostar, não leia! Quer dizer, vão também insultar os 260 mil espectadores que já viram o Filme da Treta só porque não preferiram ver antes o do Pedro Costa??

Para concluir, o cinema tanto é arte como entretenimento. Toda a gente sabe disso, agora a opção do cinéfilo é a de escolher de que lado da barricada quer ficar...

3:23 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

[url=http://www.kfarbair.com][img]http://www.kfarbair.com/_images/logo.png[/img][/url]

בית מלון [url=http://www.kfarbair.com]כפר בעיר[/url] - שלווה, [url=http://www.kfarbair.com/about.html]חדרים[/url] מרווחים, אינטימיות, [url=http://kfarbair.com/services.html]שקט[/url] . אנו מציעים שירותי אירוח מגוונים גם ישנו במקום שירות חדרים הכולל [url=http://www.kfarbair.com/eng/index.html]אחרוחות רומנטיות[/url] במחירים מיוחדים אשר מוגשות ישירות לחדרכם.

לפרטים נוספים נא לפנות לעמוד המלון - [url=http://kfarbair.com]כפר בעיר[/url] [url=http://www.kfarbair.com/contact.html][img]http://www.kfarbair.com/_images/apixel.gif[/img][/url]

6:15 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Hello. My wife and I bought our house about 6 months ago. It was a foreclosure and we were able to get a great deal on it. We also took advantage of the 8K tax credit so that definitely helped. We did an extensive remodeling job and now I want to refinance to cut the term to a 20 or 15 year loan. Does anyone know any good sites for mortgage information? Thanks!

Mike

3:52 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

top [url=http://www.c-online-casino.co.uk/]casino bonus[/url] brake the latest [url=http://www.realcazinoz.com/]free casino bonus[/url] free no consign reward at the chief [url=http://www.baywatchcasino.com/]no deposit tip
[/url].

3:14 da manhã  
Blogger 奇堡比 said...

新女性徵信
外遇調查站
鴻海徵信
亞洲徵信
非凡徵信社
鳳凰徵信社
中華新女性徵信社
全國新女性徵信社
全省女人徵信有限公司
私家偵探超優網
女人感情會館-婚姻感情挽回徵信
女子偵探徵信網
女子國際徵信
外遇抓姦偵探社
女子徵信社
女人國際徵信
女子徵信社
台中縣徵信商業同業公會
成功科技器材
女人國際徵信社
女人國際徵信
三立徵信社-外遇
女人國際徵信
女人國際徵信
大同女人徵信聯盟
晚晴徵信

6:29 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home