domingo, dezembro 2

Havia um pai

Um dos meus Ozu favoritos, ou não fosse este o filme em que a distância intensifica as relações entre pai e filho. Tranquilidade, cumplicidade, sincronismo de gestos: perfeição. A mesma que falta a dado momento deste excerto, mas que voltará quando pai e filho se reencontram alguns anos volvidos.