sábado, novembro 4

Dans Paris, uma variação sobre a liberdade

Louis Garrel e Romain Duris

Dans Paris de Christophe Honoré é uma bela proposta do Cinema francês e merece, sem margem para dúvidas, a deslocação ao Cinema. Não só porque é um belo objecto cinematográfico que respira liberdade, mas, também, porque respira cinefilia.
Com um enredo aparentemente simples - o confronto de perspectivas entre um jovem dotado de um certo anacronismo em plena depressão, fruto de uma crise amorosa (Romain Duris) e o seu irmão, um bon vivant que passa o tempo de conquista em conquista (Louis Garrel) - Christophe Honoré utiliza com mestria o espaço e o mise-en-scène. Com efeito, enquanto veremos Louis Garrel (Jonathan) deambular por Paris, de conquista em conquista, veremos Durris (Paul) experimentar a sua depressão, em estado quase vegetativo, nas fronteiras traçadas pelas paredes do apartamento do seu pai. Apenas sairá desse espaço fechado no momento em que tenta o suicídio. Esta é, pois, quer a Paris dos espaços abertos, quer a Paris vista e sentida num quarto. E é neste ir e vir de perspectiva que Honoré alimenta o filme, a par de uma bela analepse que nos permite perceber o porquê de três jovens estarem deitados na mesma cama.
Mas este é também um filme pejado de referências cinematográficas. Veremos Garrel discutindo no leito amoroso, tal como em Doinel em Domicile Conugal; teremos Duris a lançar-se ao Sena, tal como Catherine em Jules et Jim; vemos três jovens na cama, à imagem de La maman et la putain, tal como veremos as imagens de um livro entrar no filme, provavelmente por inspiração de Pierrot le fou. E bastantes mais exemplos poderiam ser citados.
Na verdade, Honoré, a par desta cinefilia louvável (não estaremos, a final, perante um filme sobre filmes?), acaba por construir uma obra aparentemente livre, sendo que tal liberdade se encontra perfeitamente cristalizada nas deambulações de Garrel por Paris. É aí que veremos homenagens ao Cinema mudo, bem como a homenagem ao espaço aberto. Homenagem a Paris, às suas ruas e, sobretudo, à sua capacidade para emoldurar enredos aparentemente simples. Não eram estes alguns dos pressupostos da Nouvelle vague? Claro que sim.
Honoré brindou-nos com um filme poético, matizado pela crueza de um drama existencial, bem como pelas deixas cómicas que Garrel e Guy Marchand vão introduzindo. Trata-se pois, simultaneamente, de uma homenagem ao Cinema e de uma variação sobre o seu lirismo, designadamente sobre a sua capacidade de exploração dos pequenos grandes dramas caseiros que, devidamente projectados, são capazes de tocar cada um de nós. Honoré acaba, assim, por ter o condão de saber dosear na medida certa os vários elementos, de molde a oferecer-nos uma obra equilibrada, próxima do ponto óptimo.
Falhas? Claro que as há. Mas são compensadas pela emoção e pelo lirismo que fluem ao longo desta obra. E, já dizia Samuel Fuller: in one word, emotion. É precisamente esta uma definição possível para Dans Paris. Emoção, com muita liberdade. Talvez acabemos por não saber se é possível amar alguém ao ponto de nos atirarmos de uma ponte, mas, pelo menos, Honoré tem o condão de, através de Garrel, confrontar directamente o espectador com essa questão.
E isso, contrariamente ao que é dito logo a abrir, não tem nada de pedante.

7 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Podias ter dito que ias ver "Dans Paris" :p
Gosto em geral do trabalho de Honoré (17 fois Cécile Cassard), e ainda por cima estes actores são fantásticos. Aliás também actua no filme uma amiga...
Obrigado pela crónica ;)

1:08 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

O blogue sofreu um rejuvenescimento ao nível da imagem, mas mantém a qualidade de sempre. É bom voltar aqui.

8:40 da tarde  
Blogger Hugo Alves said...

Nuno: ombinações/telefonemas de última hora e consequente corrida para o cinema mais próximo...

AGB: muito obrigado! :-)

8:48 da tarde  
Blogger gonn1000 said...

Também gostei, é dos melhores que estão nas salas e o meu preferido dos que vi na festa do Cinema Francês.

10:05 da tarde  
Blogger H. said...

Emoção sim. Este filme é puro sentir e por isso foi uma experiência pura de cinema.
Vi-o na festa do cinema francês mas quero ver se arranjo um tempito para o rever agora em cinema.
E pronto, além do filme (um dos melhores que vi em cinema este ano), há sempre o Louis Garrel, que enfim... é assim :)

12:33 da manhã  
Blogger Hugo Alves said...

Helena: experiência pura de Cinema não diria. (é só porque a expressão dá-me comichão: lembra-me Bazin e a apologia do neo-realismo, com a consequente desvalorização de certos elementos em função da verdade/realidade). Mas que é bom, lá isso é. Não haja dúvidas. Gosto de ver cultura cinéfila e aqui respira-se Cinema -desde os tempos do Mudo à Nouvelle Vague. Quando tem emoção, melhor ainda :-)

É impressão minha ou cheira-me a paixoneta pelo Garrel Jr? :-)

2:27 da manhã  
Blogger 奇堡比 said...

新女性徵信
外遇調查站
鴻海徵信
亞洲徵信
非凡徵信社
鳳凰徵信社
中華新女性徵信社
全國新女性徵信社
全省女人徵信有限公司
私家偵探超優網
女人感情會館-婚姻感情挽回徵信
女子偵探徵信網
女子國際徵信
外遇抓姦偵探社
女子徵信社
女人國際徵信
女子徵信社
台中縣徵信商業同業公會
成功科技器材
女人國際徵信社
女人國際徵信
三立徵信社-外遇
女人國際徵信
女人國際徵信
大同女人徵信聯盟
晚晴徵信

6:33 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home