terça-feira, dezembro 18

Ver Cinema vs Ler Cinema

Se há coisa que deixa qualquer cinéfilo intelectualmente honesto à beira de um ataque de nervos, é uma situação relativamente comum que se resume, no essencial, ao seguinte:
Caio, rapaz minimamente interessado pela causa, afirma conhecer a obra dos clássicos de Hollywood, John Ford incluído. Acto contínuo, Tício que, por sinal, gosta muito de Ford, animado pelas perspectivas de uma conversa interessante, larga perguntas em catadupa sobre obras-charneira, como The Searchers ou Stagecoach. Silêncio. Caio, o neófito interessado, não viu nada de Ford. Confundiu ver com a leitura catálogos, rectius Folhas da Cinemateca dedicadas ao realizador de My darling Clementine sem sequer ter curado de ver os filmes em questão.
Entendamo-nos fazendo uso de simples tópicos:
i) O Cinema, rectius o cultivo do seu gosto e da vontade de descobrir o que se faz à luz do que se fez, valorizando a dimensão histórica da Arte em si, é, no fundo, um acto contínuo de educação do olhar, de molde a criar uma mundividência própria, projectada no real, tendo por base as imagens projectadas no écran*;
ii) O Cinema assenta, principalmente, nas imagens projectadas. Um exemplo extremo: até uma obra em tons de cinzento (César Monteiro dixit) como Branca de Neve obriga à projecção de imagens. No caso, obriga à associação mental das palavras que ouvimos e que acabam por nos obrigar a construir o nosso filme mentalmente;
iii) Acontece que neste fenómeno, contrariamente ao da simples leitura de apreciações críticas sobre a obra de determinados cineastas ou de alguns filmes em particular, processa-se aquando da própria projecção do filme. É um exercício do e para o próprio espectador.
iv) Não se nega aqui a leitura de textos sobre Cinema. Pelo contrário, critica-se apenas a leitura antecipada dos mesmos, já que, inelutavelmente, tal conduta vicia o espectador e, sobretudo, leva a que já vá com uma ideia pré-formada do filme que vai ver (o clássico problema da Vorverständnis, vulgo pré-compreensão). Logo, não vê, necessariamente, pelos seus olhos, mas sim pelos olhos de quem escreveu o texto lido.
v) Um comportamento salutar e mentalmente honesto implica ler depois de ver. Só assim nasce a possibilidade de divergência/concordância pura com a opinião alheia. De preferência fazendo uso de um discurso articulado e com a fundamentação mínima (leia-se, racionalmente defensável, apesar de, em último grau, poder não se concordar com a opinião expendida).
vi) Curiosamente, o ponto v) supra tem inerente a recusa do modelo de Bazin (apresentação-visionamento-discussão), em nome da construção de uma opinião própria (e o mais livre possível) a propósito da interpretação de um filme visto.
* não criticar, por favor, esta absolutização do Cinema ínsita no último período. O escriba de serviço preza-a muito.

6 Comments:

Blogger Ricardo Martins said...

Belo texto. Alves is back in form again!

1:51 da tarde  
Anonymous Caio&Ticio interessam-se só por certas causas... said...

"Os Westerns de Hollywood (John Ford à cabeça) podem perfeitamente retirar-se das linhas de qualquer catálogo da cinemateca!"

Esta afirmação vale o que vale, podendo resumir-se ao seguinte: Ticio projecta "Once Upon a Time in the West" (do Leone) a Caio, e este, desgostoso, rejeita liminarmente a oferta (inclusive o elenco "sobremesa": a actriz Cardinale).

Como explicar preferências pessoais? gostando-se do estilo «vê-se», de contrário, «lê-se» sobre o filme(já dizia o provérbio "o saber não ocupa lugar").

Exemplo: Ticio abomina cinema nórdico (será um mal comum dos "cinematecos" ?! :P) mas gosta de associar as leituras do movimento Dogma 95 a "os Idiotas" de Von Trier, censurando-o amiudadas vezes.

Acontece que Von trier tem 'sequelas' desse manifesto em filmes como "Europa", "5º elemento", "Medea", "Epidemic".

Ticio teima com o tridente que visionou: Dancer in the Dark, Dogville e Breaking the Waves demonstrando recusa liminar por outras obras do autor.

Se Ticio nunca viu obras-charneira de Thomas Vinterberg, Ticio (para além de chato) tem lacunas graves na formação do seu conceito sobre o movimento de Copenhaga.

Abraço!

3:15 da manhã  
Blogger Hugo said...

Não falo pelos Cinematecos, mas apenas por mim. Tenho o hábito de não ver coisas de tipos que considero não terem talento (Vinterberg). Quanto a Von Trier, não gosto de pessoas contraditórias. In casu, assinam um manifesto e apenas o cumprem na íntegra uma vez.

Ademais, se reparar, as linhas programáticas do dito radicam nos princípios-base da Nouvelle Vague, com algumas adaptações/depurações. Acresce que a corporização dos filmes Dogme 95 oficiais que este escriba viu não passam de filmes maus.

Finalizo, salientando que, em bom rigor, não percebeu nada do que leu (se é que leu alguma coisa) do post. A filosofia hermenêutica (Gadamer, por exemplo) explicar-lhe-ia bem o que é viciar a pré-compreensão e, sobretudo, a necessidade de se ser o mais neutro possível sobre o que se interpreta. No caso um filme. Ler algo que nunca se viu, para além de não retirar o prazer de ver efectivamente, é ver algo por olhos alheios (os de quem escreveu). É preguiça e, pior, falta de honestidade intelectual.

Over and out (for the moment)

10:18 da manhã  
Blogger Duarte Duval said...

bom texto.. apesar de continuar a achar que o cinema não se teoriza.

abraço

4:37 da tarde  
Anonymous Uzi said...

Bom Natal

8:46 da manhã  
Blogger 奇堡比 said...

新女性徵信
外遇調查站
鴻海徵信
亞洲徵信
非凡徵信社
鳳凰徵信社
中華新女性徵信社
全國新女性徵信社
全省女人徵信有限公司
私家偵探超優網
女人感情會館-婚姻感情挽回徵信
女子偵探徵信網
女子國際徵信
外遇抓姦偵探社
女子徵信社
女人國際徵信
女子徵信社
台中縣徵信商業同業公會
成功科技器材
女人國際徵信社
女人國際徵信
三立徵信社-外遇
女人國際徵信
女人國際徵信
大同女人徵信聯盟
晚晴徵信

8:17 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home